Dia 1: Joanesburgo - conhecendo a capital da Africa do Sul.

Para começar a viagem, é possível voar de praticamente todas as capitais Brasileiras para a capital Sul-Africana Joanesburgo. As companhias que realizar este trecho são a South Africa e a Latam.

Joanesburgo é a maior cidade sul africana tem mais de 4,5 milhões de habitantes, que somados ao de toda região metropolitana totalizam mais de 8 milhões de pessoas. É uma grande metrópole, sem atrativos naturais e com todos os problemas das grandes cidades de países em desenvolvimento. Essa é uma cidade para quem gosta de atrações culturais, museus, busca entender melhor a história do país e do período do Apartheid, assim como de Nelson Mandela e adora novas experiências culinárias.

Principais atrações:

- Museu do Apartheid: mais importante museu sobre a história da segregação racial na África do Sul.
- Soweto: região onde os negros eram obrigados a morar durante o Apartheid.
- Maboneng: descolado bairro cheio de cafés e pequenos restaurantes, alguns grafites e artistas de rua

Enquanto em Joanesburgo, é preciso ter cuidado com a segurança. Na cidade a desigualdade social é gritante e os níveis de violência estão entre os mais altos do mundo. Não recomenda-se andar apé...

Dia 2: Sun City - o centro de entretenimento Sul-Africano.

A melhor forma para ir de Joanesburgo a Sun City é de carro, são aproximadamente 200km e 2:30h de viagem e pura savana como paisagem.

Sun City é uma cidade que foi criada para ser na África do Sul o que Las Vegas é nos Estados Unidos. Uma “cidade artificial” no meio do nada com hotéis de luxo, cassinos e muitas opções de entretenimento. É basicamente um complexo repleto de entretenimento, dentre as principais atividades estão o parque aquático Valley of Waves (Foto 1), vários cassinos e excelentes restaurantes.

A mais famosa hospedagem do complexo é o “The Palace of the Lost City" que é um hotel 5 estrelas (por algum tempo foi classificado como 6 estrelas de tanto luxo que oferece). - Foto 3

Se você não vai ficar hospedado no resort pode comprar um ingresso para ter acesso á todas as atrações do complexo Sun City por 1 dia. Para hospedes não há taxas para frequentar o local. Esse ingresso da direito aos cassinos, restaurante, lojas e o mais legal: o parque aquático Valley of Waves!

- O valor é de aproximadamente R$17 para entrar no resort e R$40 para o parque aquático (valores para adultos).

Dia 3: Cape Town - Muizenberg Beach, Boulder's Beach, Cape Point e Peakmans Drive

A melhor maneira de se viajar de Sun City a Cape Town é de avião.

O primeiro dia dedicaremos às atrações fora da cidade: Cape Point e arredores.

Logo cedo, o roteiro começa por Muizenberg beach, a famosa praia com as casinhas coloridas, que é cartão postal do local. Apesar de ventar bastante, a praia atrai muitos surfistas e banhistas em função de sua água morna.

Na sequência, vamos a Boulder's Beach, a famosa praia dos pinguins, que é parte do Table Mountain National Park e possui entrada paga. O acesso é bem sinalizado, com estacionamento amplo e todo percurso a pé, feito em passarelas sobre a areia. Há duas formas de se aproximar do bichinhos, pela praia (onde é possível inclusive nadar com eles) ou pela passarela que leva até a colonia (onde haverá uma quantidade muito maior deles).

<-- Muizenberg Beach: praia de águas calmas, berço do surf e de casinhas vibrantes.

Boulder's Beach: chegando pertinho dos pinguins -->

Seguindo o passeio, vamos de Bouders até Cape Point. O parque é imenso e o caminho é muito bonito, há muitas atrações para se fazer de carro ou apé. A mais famosa delas, e nossa primeira parada, é o Cabo da Boa Esperança: também conhecido pelos historiadores como cabo das tormentas, é o encontro de dois oceanos, o Atlântico e o Índico.

O trajeto de volta para a cidade é pela Chapman's Peak Drive, linda rodovia a beira mar com paisagens incríveis e vários mirantes no caminho...

Dia 4: Cape Town - Jardim Botânico Kirstenbosch, Table Mountain e Signal Hill.

O segundo dia começa pelo Jardim Botânico Kirstenbosch: considerado um dos maiores e mais belos jardins botânicos do mundo é o primeiro de seu tipo a apresentar, exclusivamente, plantas nativa. Um dos atrativos mais legais é o Tree Canopy Walkway, uma passarela suspensa, no nível da copa das árvores com 130m de percurso. O percurso é sinuoso e acompanha o movimento das montanhas e vegetação próxima.

são mais de 7.000 variedades de plantas, inclusive raras e ameaçadas, nos 36 hectares de área do Jardim Botânico de Cape Town.

Como o jardim botânico fica no pé da Table Mountain, na sequência iremos subir a montanha para apreciar uma das vistas mais famosas da Africa do Sul.

O nome Table Mountain (Montanha da Mesa) faz referência à sua forma. Gigantesca, a montanha possui mais de 1000 metros de altura e, em seu cume, revela um planalto de mais de 3 quilômetros de área total. Existem duas maneiras de conhecer o topo da Table Mountain. A viagem mais rápida – e menos cansativa – é feita a bordo de um teleférico. Já quem curte um pouco mais de aventura e tem bom preparo físico pode optar por fazer o trecho de subida e/ou descida numa trilha a pé.

Por fim, seguimos para a colina "esquecida" da Cidade do Cabo: Signal Hill.

Dia 5: Cape Town - Bo Kaap e Waterfront

O terceiro e ultimo dia em Cape Town iniciou em Bo Kaap, o bairro das casinhas coloridas. Localizado na base do Signal Hill, o Bo Kaap é um bairro de maioria muçulmana, e representa muito da história da cidade.

Depois seguimos para o Victoria & Alfred Waterfront, lugar onde tudo acontece em Cape Town. O Waterfront é repleto de restaurantes, lojas, shopping, a famosa roda gigante que já é símbolo da cidade, palco de pequenos shows, foodmarket, artesanato, o Two Ocean Aquarium e local para apreciar a Table Mountain. Com certeza será seu destino em vários momentos durante o seu tempo na cidade (principalmente para jantar).

<-- Bo Kaap: bairro charmoso e colorido.

V&A Waterfont: ótimo para compras e curtir a noite. Várias opções de restaurantes deliciosos -->

Dia 6: Kruger Park - Primeiro dia de Safari.

Saindo de Cape Town, a melhor maneira de chegar ao Kruger Park é de avião.

Fundado em 1926, o Kruger Park é uma grande reserva de preservação com 20 mil km2 de pura vida selvagem, a maior área protegida sul africana. O melhor esquema para conhecer o parque é se hospedando e um Lodge de Safari: são pacotes fechados que, além de acomodação e hospedagem, incluem dois game drives por dia (um de manhã e um no fim da tarde) e, às vezes, também um safári a pé. Trata-se de um ritmo ultra intenso: acordar lá pelas 5 da manhã, passar cerca de 8 horas por dia num 4X4.

Dia 7: Kruger Park - Segundo dia de Safari.

Quer saber mais detalhes?